Pode ou não pode? – Intimidar os empregados

 
                         Baixe o Áudio
      
 

(Qui, 02 Fev 2017 14:49:00)

NARRADORA: Imagine a seguinte situação: você é um assistente terceirizado que presta serviços administrativos para uma operadora de telefonia móvel. Até aí, dentro da normalidade. Mas, diariamente, você é obrigado a ouvir coisas do tipo:

“Ignorante! Deixa de preguiça! Quanta burrice!"

NARRADORA: O pior é que essas coisas são ditas pelo supervisor. Como se não fosse o bastante, ele ainda surpreende a todos com... Sim, é isso mesmo. Por mais absurdo que pareça, o supervisor tem como hábito bater com um chicote nas mesas, sendo que os colegas observam tudo.

Essa história poderia fazer parte de um filme, mas aconteceu mesmo, no Rio Grande do Sul. Diante das humilhações, o trabalhador entrou com ação trabalhista. Vamos saber como o caso foi julgado com a repórter Liamara Mendes. 

REPÓRTER: A Justiça do Trabalho considerou que o comportamento do supervisor “atentou contra a dignidade e a honra do indivíduo, uma vez que expôs o empregado a situação vexatória, sendo humilhado e diminuído perante os colegas de trabalho". Por isso foi determinado o pagamento de indenização por danos morais de R$ 5 mil ao trabalhador terceirizado autor da ação. 

NARRADORA: Ofender o trabalhador com xingamentos ou tentar intimidar os empregados com objetos como um chicote é assédio moral... 

“Não pode!”

Roteiro: Mírian Lucena        
Narração: Priscilla Peixoto

 

O programa Trabalho e Justiça vai ao ar na Rádio Justiça de segunda a sexta, às 10h50.
 
Trabalho e Justiça 
Rádio Justiça - Brasília – 104,7 FM
Esta matéria tem caráter informativo, sem cunho oficial.
Permitida a reprodução mediante citação da fonte.
Coordenadoria de Rádio e TV
Tribunal Superior do Trabalho
Tel. (61) 3043-4264
crtv@tst.jus.br