Chefe da ONU lança plano de dois anos para impulsionar reconstrução do Iraque

Mulheres e crianças caminham em meio a edifício destruído em Mossul, no Iraque. Foto: UNICEF/Romenzi

Mulheres e crianças caminham em meio a edifício destruído em Mossul, no Iraque. Foto: UNICEF/Romenzi

O secretário-geral da ONU, António Guterres, lançou nesta quarta-feira (14) um programa de reconstrução para o Iraque, pedindo que a comunidade global apoie os iraquianos em sua jornada para recompor o país e garantir compromisso com a unidade e a inclusão.

“Os programas de reconstrução e desenvolvimento precisam ir de mãos dadas com uma estratégia para prevenir a recorrência do extremismo e terrorismo violento no Iraque”, disse Guterres na conferência de doadores internacionais no Kuwait.

“Isso precisa incluir total respeito aos direitos humanos, incluindo direitos políticos, civis, econômicos, sociais e culturais”, acrescentou.

O programa de dois anos, de acordo com a equipe de país da ONU, é desenhado para impulsionar as dimensões sociais da reconstrução e ajudar a garantir que as pessoas vejam melhoras tangíveis em sua vida cotidiana no início do processo de reconstrução, mais do que esperar anos para se beneficiar de projetos grandes de infraestrutura e reformas estruturais.

A ONU busca arrecadar 482 milhões de dólares para o primeiro ano do programa e outros 568 milhões de dólares para ajudar a estabilizar áreas de alto risco.

Em dezembro do ano passado, as forças iraquianas declararam vitória final sobre o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL), três anos depois de o grupo terrorista ter capturado grandes partes do território do país.

Durante esse período, milhares de iraquianos perderam suas vidas, centenas de milhares perderam suas casas e meios de subsistência, e muitas mulheres e crianças foram vítimas de violência sexual.

De acordo com estimativas, aproximadamente 6 milhões de iraquianos foram forçados a deixar suas casas.

Guterres disse que o mundo tem uma dívida com o povo iraquiano por sua luta contra o Estado Islâmico e que é hora de a comunidade internacional demonstrar sua gratidão e solidariedade com a população do país.