Arquivo da categoria: Sem categoria

Presidente Aparecido Hernani Ferreira reúne-se com alta cúpula da Advocacia Argentina

Dr. Aparecido Hernani Ferreira com o Dr. Dameschik
Dr. Rizzo com o Dr. Aparecido Hernani Ferreira

Dr. Aparecido Hernani Ferreira reuniu com o Presidente do  ” Colégio Público de Abogados de la Capital Federal Argentina”,  Dr. Rizzo e o Secretário Geral, Dr. Dameschik.  O motivo da reunião foi a semelhança dos trabalhos em prol da categoria de advogados que muitas vezes se esforçam ao máximo para fazer valer a justiça da população. Se a categoria  destes bravos profissionais, não tiver um braço forte que os sustentam em seus “miste”r acabam por serem desvalorizados e consequentemente a injustiça tomará conta  da nação, fato que não acontece com as duas instituições, as quais, tem o mesmo lema,” trabalhar em favor da classe dos advogados e advogadas”. Nesta reunião com as autoridades do Colegio Público de Abogados de la Capital Federal, Dr. Rizzo fez questão de registrar o que  ficou entabulado em sua campanha no pleito de abril de 2016, que lhe consagrou uma vez mais como representante da classe: “Trabajadores de la Abogacía”. O Presidente da Confederação Nacional dos Advogados Brasileiros, ficou admirado pela forma correta e desafiadora daquela respeitada instituição. Com certeza outras reuniões virão e a pretensão é a reunião das duas categorias para tratar de assuntos do direito no âmbito do Mercosul, provavelmente neste ano ainda e no Rio de Janeiro.

Presidente da CNADV palestra na Argentina

O presidente da CNADV , Doutor Aparecido Hernani Ferreira , participa como palestrante na Segurinfo(USUARIA),onde diante de varias pessoas representativas de diversos países assistiram atentamente a palestra que contou também com as participações de :Marcos SaltProfesor en Derecho y Procedimiento Criminal, UBA
Eduardo Molina QuirogaSecretario Académico, Red Federal de Escuelas JudicialesFacundo MalaureilleAsesor de Presidencia, Banco Provincia de Buenos Aires. Neste mesmo evento o Brasil firmou convenio com a Argentina para que ambas instituições possam de agora em diante tratar de segurança e direito no mundo digital , enfileirando diversas pesquisas pelo planeta .

 

STF inicia julgamento sobre responsabilidade de ente público em casos de terceirização



O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deu início, nesta quinta-feira (2), ao julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 760931, com repercussão geral reconhecida, no qual se discute a responsabilidade subsidiária da Administração Pública por encargos trabalhistas gerados pelo inadimplemento de empresa terceirizada. O RE foi interposto pela União contra decisão do Tribunal Superior do Trabalho que manteve a condenação da União pelo pagamento de verbas trabalhistas devidas a uma recepcionista contratada para prestar serviços na Procuradoria Regional Federal em Mogi das Cruzes (SP). Até o momento, apenas a relatora, ministra Rosa Weber, apresentou voto, no sentido do desprovimento do recurso da União.

A ministra fundamentou seu voto na decisão do STF na Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) 16, que julgou constitucional o artigo 71, parágrafo 1º, da Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações), que veda a transferência automática à Administração Pública dos encargos trabalhistas resultantes da execução de contrato de prestação de serviços. Mas, segundo a relatora, não fere a Constituição a responsabilização do Poder Público em caso de culpa comprovada em relação aos deveres legais de acompanhar e fiscalizar o contrato de prestação de serviços.

Na compreensão da ministra Rosa Weber, embora todas as partes devam colaborar para que se obtenha decisão justa e efetiv, o ônus probatório deve ser da Administração Pública. Para ela, é desproporcional exigir que os trabalhadores terceirizados provem o descumprimento do dever legal do tomador de serviços em relação à escolha do prestador (culpa in eligendo) e à fiscalização do contrato (culpa in vigilando). “Se as necessidades da contratante são atendidas por esses trabalhadores, nada mais justo que o ônus decorrente da falta de fiscalização da execução do contrato recaia sobre o maior beneficiado pela mão-de-obra ofertada”, afirmou. “A força de trabalho, uma vez entregue, não pode ser reposta, e a falta de contraprestação devida, independentemente de quem venha a arcar com esse pagamento, transforma o terceirizado em escravo moderno”.

Segundo a relatora, toda a sociedade, de alguma forma, é beneficiada com o trabalho terceirizado junto ao ente público, e por isso é razoável que este seja responsabilizado se não cumprir seu dever de fiscalização. “Admitida conduta diferente, a prestadora de serviços receberia da administração pública carta branca para o desempenho do contrato, podendo inclusive ignorar e desrespeitar os direitos laborais constitucionalmente consagrados”, completou.

Assim, a relatora negou provimento ao RE e propôs a seguinte tese de repercussão geral:

“Não fere o texto constitucional a imputação de responsabilidade subsidiária à administração pública pelo inadimplemento, por parte da prestadora de serviços, das obrigações trabalhistas, em caso de culpa comprovada, em relação aos deveres legais de acompanhamento e fiscalização do contrato de prestação de serviços, observados os princípios disciplinadores do ônus da prova”.

Repercussão geral

A responsabilidade subsidiária da Administração Pública por encargos trabalhistas gerados pelo não pagamento de verbas trabalhistas por prestadoras de serviços é o tema com maior número de processos sobrestados no Tribunal Superior do Trabalho, à espera da definição do STF.

O sobrestamento ocorre quando o STF, no exame de um recurso extraordinário, reconhece a existência de repercussão geral na matéria constitucional discutida – ou seja, entende que o tema é relevante do ponto de vista econômico, político, social ou jurídico e ultrapassa os interesses apenas das partes envolvidas. O entendimento adotado neste recurso (chamado de "leading case", ou caso paradigma) será aplicado a todos os demais processos que tratem da mesma matéria.

(Carmem Feijó, com informações do STF)

Processo original: AIRR-100700-72.2008.5.02.0373 

Inscrição no Canal Youtube do TST